Recentemente precisamos criar uma prova de conceito do Azure File Sync para um de nossos clientes MS Azure. Resolvi criar este post prático com os passos a serem seguidos para uma implantação de Serviço de Sincronização de Arquivos do Azure.

Caso queira entender como o File Sync funciona gravei uma apresentação para o canal do Arquitetos na Nuvem.

Siga os passos abaixo para criar seu laboratório.

PASSO 1: Criar o serviço de sincronização de arquivos no Azure

  • No “Market Place” procure por “Sincronização de Arquivos do Azure” (Azure File Sync) e clique em “Criar”:

  • Informe um “Nome” para o recurso criado, escolha sua “Assinatura”, escolha ou crie um “Grupo de Recursos” e “Localização” deste recurso. Finalize com o “Criar”:

PASSO 2: Configurar o seu servidor Local

  • Neste laboratório vamos usar um Windows Server 2016. Um dos pré-requisitos é ter a versão 5.1 ou superior do Windows Management Framework. Caso você não saiba a versão atual, você pode executar o comando: $PSVersionTable no PowerShell. Se o seu PowerShell estiver desatualizado você pode realizar a instalação através do link: https://www.microsoft.com/en-us/download/details.aspx?id=54616
  • Instalar os módulos Azure Powershell com o comando:

Install-Module -Name AzureRM -AllowClobber

  • Após a instalação do agente você será obrigado a informar suas credenciais de acesso do Azure com permissão ao grupo de recursos na qual o recurso criado faz parte.

  • Seguindo com a configuração a próxima tela você será obrigado a informar os dados de “Subscription”, “Grupo de Recursos” e nome do “Serviço de Sincronização”

  • Se tudo estiver correto a próxima tela será exibido uma mensagem de sucesso:

PASSO 3: Criar um Grupo de Sincronização e um Ponto de Extremidade de nuvem

O grupo de sincronização representa o pool de servidores que estarão em sincronização com o ponto de extremidade em nuvem. Um ponto de extremidade de forma geral é a conta de armazenamento que armazena os arquivos que serão sincronizados com os servidores pertencentes ao grupo de sincronização.

  • Para criar um grupo de sincronização precisamos criar uma “Conta de Armazenamento” na mesma região que o serviço de sincronização. Neste processo vamos criar via “Cloud Shell” para economizar espaço deste post. Você pode criar via portal normalmente.

az storage account create \

    –resource-group {mesmo grupo de recursos do serviço} \

   –location {mesma regiao} \

   –name {nome para a conta de armazenamento} \

   –kind Storage \

   –sku Standard_LRS

Se todos os comandos forem executados de forma correta o resultado será um resumo da conta de armazenamento criada:

  • Dentro da conta de armazenamento criada vamos criar um compartilhamento de arquivos conforme a imagem abaixo:

  • Para criar o “Grupo de Sincronização” acesse o recurso de sincronização criado em seu portal do Azure e clique em “+ Grupo de Sincronização”:

Você vai precisar informar um “Nome do Grupo”, “Assinatura Azure”, “Conta de Armazenamento” criada anteriormente bem como o “Compartilhamento de Arquivos”:

PASSO 4: Criar um Ponto de Extremidade do Servidor Local

 Um ponto de extremidade do servidor representa o caminho do diretório ou unidade do servidor registrado no serviço de sincronização.

  • Dentro do grupo de sincronização criado, clique em “Adicionar ponto de extremidade do servidor”

  • Selecione o “Servidor registrado”, o “Caminho” do diretório ou unidade que deseja sincronizar. Habilite a “Camada de nuvem” se quiser especificar uma porcentagem de capacidade que deve ser garantida como livre no servidor local. Finalize com o “Criar”

  • A partir de agora o Azure vai iniciar uma leitura dos arquivos a serem sincronizados e seguido do upload dos arquivos para a unidade de compartilhamento criada na sua conta de armazenamento. É recomendável interromper o compartilhamento de arquivos da rede durante este processo para garantir a integridade dos arquivos.


PASSO 5: Configurar os servidores secundários

 Quando a sincronização do agente principal estiver concluída você vai ter o seguinte estado: Agora de dentro do mesmo grupo de sincronização vamos adicionar todos os demais servidores que terão cópias dos arquivos de sincronização.

  • Repita os passos 2 e 4. No passo 4 não habilite a opção “Camada de Nuvem”. Essa opção deve ser habilitada quando o servidor já tiver sincronizado todos os arquivos.
  • Aguarde o fim da sincronização do novo servidor:

  • Ative a “Camada de Nuvem” quando a sincronização terminar


PASSO 6: Validar implantação

Após o término da sincronização vamos testar a sincronização de novos arquivos entre os servidores:

Servidor WS-2016:

Servidor WS-2012R2:

Vejam que uma simples transferência de pasta foi feita de forma instantânea entre os dois servidores.

Algumas coisas que devem ser constatadas após a implantação:

  • Detalhes de registro dos servidores implantados no serviço de sincronização:
  • Detalhes sobre o grupo de sincronização:

  • Listar os arquivos sincronizados na conta de armazenamento criada:

Alguns pontos que devem ser levados em consideração antes de implantar o Serviço de sincronização:

  • A fidelidade total nos arquivos não é preservada. Por exemplo, arquivos perdem ACLs (Lista de Controle de Acesso) e carimbo de data/hora.
  • Alterações de dados no servidor antes de a topologia de sincronização estar totalmente ativa e em execução podem causar conflitos nos pontos de extremidade do servidor.
  • Depois que o ponto de extremidade da nuvem for criado, a Sincronização de arquivos do Azure executa um processo para detectar os arquivos na nuvem antes de iniciar a sincronização inicial. O tempo necessário para concluir esse processo varia dependendo de vários fatores, como velocidade da rede, largura de banda disponível e quantidade de arquivos e pastas. Para obter uma estimativa aproximada na versão prévia, o processo de detecção é executado a aproximadamente 10 arquivos por segundo. Portanto, mesmo se a pré-propagação for executada rapidamente, o tempo geral para obter um sistema totalmente em execução pode ser significativamente maior quando os dados forem pré-propagados na nuvem.
  • É recomendável que você use o backup do Azure para a conta de armazenamento criada.

Caso queira entender mais como o “Serviço de Arquivos do Azure”  funciona recomendo a leitura da documentação oficial a Microsoft: https://docs.microsoft.com/pt-br/azure/storage/files/storage-files-introduction

Focado em desenhar serviços em nuvem nos conceitos de PaaS. Engajado na transformação digital das empresas com o Microsoft Enterprise Mobility + Security. Atualmente desenhando projetos de proteção de dados em nuvem com o Microsoft Azure e Office365.

Azure File Sync na Prática

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: